Rinossinusite

Rinossinusite

Rinossinusite é um processo inflamatório de etiologia viral ou bacteriana que acomete a mucosa nasal e os seios paranasais. É caracterizado por obstrução ou congestão nasal, descarga nasal (gotejamento nasal), pressão nos seios da face (dor facial), redução ou perda do olfato.

Através de exames específicos, o alergista pode diagnosticar a presença de pólipos ou alterações anatômicas, que podem dificultar o tratamento convencional. Muitos pacientes têm piora dos sintomas ou mesmo persistência dos mesmos devido a sensibilização à alérgenos (ácaros, fungos, pólens, ...) ou medicamentos (aspirina e anti-inflamatórios).

Há casos com infecções de repetição com grande número de prescrições de antibióticos que é necessário uma investigação da imunidade conjuntamente. Para tanto, é importante consultar seu alergista para a investigação completa da doença.

O tratamento pode ser baseado na profilaxia ambiental, limpeza e higiene nasal, corticosteroides nasais e em alguns casos, antibióticos.

Tosse Persistente – Exige Atenção e Cuidados

Seja ela crônica ou aguda, o sintoma é incomodo, atinge todas as idades e precisa ser levada a sério.

A tosse sempre é prejudicial?

A tosse é um reflexo natural do corpo para eliminar secreções e qualquer irritação do pulmão ou das vias aéreas superiores.

O tipo da tosse, quantidade e cor da secreção, assim como o tempo que a pessoa está tossindo, determinam se a tosse é de origem infecciosa como uma virose ou alérgica como no caso da rinossinusite ou asma.

É normal tossir ocasionalmente. Mas a tosse persistente ou acompanhada de catarro ou sangue não é normal!

O médico classifica a tosse, por sua duração, em:

  • Aguda – Quando dura menos que três semanas e, em geral, é consequência de resfriados.
  • Subaguda – Dura de três a oito semanas, em geral. Também é consequência de viroses, mas necessita de supervisão médica para investigar complicações.
  • Crônica – Quando dura mais do que oito semanas e necessita de investigação e acompanhamento médico, preferencialmente um especialista, alergologista ou pneumologista.

Causas

No caso da tosse crônica, as causas mais comuns são:

  • Gotejamento nasal posterior: é caracterizado por secreções nasais que escorrem para a parte posterior da garganta (retrofaringe), inflamando-a e desencadeando o sintoma da tosse sempre que a criança ou adulto deita.
    Pode ser causada por infecções virais, bacterianas ou fúngicas. Muitas vezes acompanha o paciente com rinite alérgica.
  • Alérgicas: Na rinossinusite, o gotejamento nasal posterior pode estar presente e causar por consequência a tosse. Já na asma, em alguns casos a tosse pode ser a única manifestação da doença, tipicamente conhecida pelo chiado e pela falta de ar. A criança com tosse sempre quando acorda ou aos exercícios deve ser avaliada pelo alergologista pediátrico para investigar asma.
  • Refluxo gastroesofágico: quando ocorre o retorno do ácido estomacal para o esôfago e, em alguns casos, garganta, uma irritação se instala e a tosse acontece.
  • Outras causas: irritação da poluição (interna ou externa); medicamentos; doenças pulmonares como tuberculose e bronquiolite, etc.
  • Atenção ao ambiente com cigarro, pois ele é prejudicial a saúde de quem fuma e daqueles que estão ao redor.

Comentários estão fechados.

WhatsApp